Nuances

Travessuras. Uma atitude: escandalizar. Uma dama de voz grave e barba malfeita. Assim era descrita. Frequentadora da Esquina Maldita. Porto Alegre. Profissão: cantora e bailarina. Nega Lu. Mulher de pouca maquiagem, mas que sabe usar os talheres. Uma representante da contracultura urbana porto-alegrense.

Travessia. Uma escolha condicionada: sobreviver. Nascida menino, assume a homossexualidade na juventude. Dessa maneira, desponta Nega Lu e desaparece Luiz Airton Farias Bastos. Da performance à militância, torna-se ícone do movimento gay. Ser ela mesma é ser multifacetado. Sobreviver exige mais recursos do que viver.

Travessão. Um ato: dizer. Tá bom para ti ou quer mais? É preciso falar e em alto e bom som. Palavras contribuem para derrubar tabus. Nomear o inominável diminui o poder alheio. Fim do segredo. A verdade do outro também precisa ser ouvida. Se possível, compreendida; ao menos, respeitada.

Tradução. Um modo: ver. Você. Um espetáculo. E o seu mundo faz-se preto e branco. Até o arco-íris forma-se em tons de cinza. O mágico é o fotógrafo, capturando pelo obturador as nuances da sua vida, Nega.

Transformação. Um fato: metamorfose. A pessoa torna-se personagem. Porto Alegre ganha uma lenda. Uma história para ser lembrada. Dezesseis anos após a sua morte, Nega Lu é homenageada, quiçá eternizada, no muro da loja de roupas femininas na localidade em que nasceu.

Compartilhe!

gostou? comente!

Rolar para cima