Orla onírica

Nos meus devaneios, os armazéns do cais do porto conversam com o Guaíba e sua orla.

Nos meus delírios, a luz do céu invade aquelas construções amareladas.

Nas minhas fantasias, o projeto arquitetônico contempla uma conversa entre os armazéns e o ambiente externo.

Nos meus sonhos, os espaços são bem ventilados e com boa iluminação natural.

Nas minhas ilusões, os armazéns são celeiros de produção artística.

Na minha imaginação, a arte produzida lá acompanha as nuances entre o nascer e o pôr-do-sol.

Na minha loucura, os governos municipal e estadual, a iniciativa privada e a sociedade civil constroem pontes e derrubam os muros.

2 comentários em “Orla onírica”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima