A Presença do Poeta

“Eu moro em mim mesmo”,

Mário Quintana

Não dei frutos, fiz poesia

Na minha introspecção, fluí

Traduzi a natureza , zombei dos homens

Vi girar os cataventos e me plantei nas páginas da primavera

 

Da janela do horizonte vi os passantes em gaiolas

Testemunhei os hipócritas cumprindo suas penitências

Senti os galhos da Tipuana me alcançarem

 

Acompanhado da solidão, enchi de folhas as quatro estações

Do fim até o início

Me despedi da cidade sem rio

E no final devaneio

Me deitei de sapatos nas águas do Inhanduí

Compartilhe!

1 comentário em “A Presença do Poeta”

  1. Perfeita composição entre a linda imagem e as mudanças da nossa relação com a cidade! e nossas emoções… fluindo como as estações.

gostou? comente!

Rolar para cima