Vamos! Vamos?

Ando na rua e vejo narizes, vejo bocas. Constato: há quem se deixe dominar pelo entusiasmo e relaxe nos procedimentos de proteção, mandando a prudência para aquele lugar distante e mal-afamado. Outros ainda não conseguem nem imaginar-se saindo de casa para uma mesa com outras pessoas respirando o mesmo ar. Entre os dois grupos, estamos nós (alço-me como porta-voz improvisado), os que desejam muito retomar o espaço público contanto que a exposição não pareça demasiada. Ou seja, uma cabine de descompressão entre o profundo desespero e a responsabilidade rasa.

Por exemplo, mesmo com o ano já solto nos módulos online, semana passada recém marcou o retorno da Oficina Santa Sede com os encontros presenciais. Sim, dois anos se foram e eu nem me lembro de ter ficado tanto tempo distante da boemia crônica… Quarta-feira passada, pela manhã, aconteceu com a turma Café lá na Sabor de Luna. À noite, Master Class em homenagem a Moacyr Scliar na Alameda República. As duas mesas ao ar livre, perfeitas para servirem de “descompressão” ao confinamento. Muita alegria nos reencontros.

Mas aconteceu um fato curioso: houve quem tenha faltado porque não conseguiu comparecer. Queria estar conosco, mas algum mal-estar boicotou o trabalho e desestimulou a presença. Isso deve acontecer em todo lugar e com mais frequência do que se possa imaginar: o medo paralisante. Senão ele, a acomodação segura. Senão ela, a natural preguiça de sair porta afora. Ou de tudo isso um pouco e outros fatores invisíveis feito o vírus. Com muita frequência, estamos travados. É como fica a musculatura em desuso – sem energia, flexibilidade e tônus.

Assim, lembro da época de Educação Física: nenhum atleta, profissional ou amador, consegue voltar de uma lesão com o mesmo condicionamento. Igualmente, jamais retornará ao antigo condicionamento se não retomar a atividade, ainda que aos poucos. É isso, gente: nada de saltar do nada ao tudo. Vamos aos pouquinhos, passo a passo. Dá vertigem? Pode dar. Receio? Certo que sim. Todavia, nada fazer deixará nossas amizades e nossa saúde mental cada vez menos condicionadas, a ponto de nunca mais ter coragem de praticar a socialização. Vamos? Vamos!

***

Bom, uma ideia de para onde ir é ao módulo Circuito da Santa Sede. São encontros semanais nas terças-feiras, às 20h, na Alameda República (por enquanto) e no novo Apolinário (depois). Num só movimento arejar a cabeça e exercitar os neurônios. Recomendado tanto para cronistas experientes quanto para novatos. Vem pra Santa Sede e encontre a sua turma!

PS: ainda não? Tudo bem – nas segundas-feiras, às 18h, tem o mesmo módulo on-line, ideal para quem mora distante de Porto Alegre e para quem ainda não está 100% pronto. Viu só? Não tem desculpa!

Compartilhe!

gostou? comente!

Rolar para cima