Tetê Lopes em foto de Alexandre Eckert

Seres da cidade

Tetê Lopes

 

Da janela do ônibus, que passa pela Ipiranga cruzando a João Pessoa, no inesperado sol que se arrisca na manhã fria da cidade, vejo carros da polícia estacionados na calçada e, dentro, algemados, adormecidos, atirados, os detentos para os quais faltam vagas na prisão e que permanecem sob vigilância dos agentes, estes também obrigados a ficar ali, na chuva ou no sol, testemunhas da sordidez a que todos, afinal, se submetem. Penso e, sem querer, falo: Essa situação degradante continua… O vizinho de banco acredita ter algo a ensinar: Mas sabe quem são essas pessoas? Bandidos! Não me diz que tem peninha de bandido! Não falo mais, porém o pensamento continua.

O ônibus segue pela avenida, e posso ver moradores de rua, homens e mulheres que se amontoam nos cantos escondidos, nos vãos das pontes, exibindo seus molambos sujos, alguns tentando reconstituir naqueles espaços as lembranças de lares que um dia foram seus e que ficaram para trás. Os passantes evitam a proximidade com aqueles seres ultrajados, que ainda buscam manter nos gestos uma arruinada integridade.

É penoso compartilhar o sentimento de humanidade com indivíduos que parecem ter perdido a condição humana, gente que procura alimento em meio ao lixo produzido por outros. É difícil não condenar criaturas que nasceram em meio ao desamor, à violência, e que reproduziram em suas vidas miseráveis essas mesmas condições, tornando-se ladrões ou assassinos.

Se não tenho em mim a capacidade de sentir a dor do outro, se enxergo no outro um indivíduo dessemelhante, se não carrego em mim a certeza de que somos todos seres humanos, passíveis de desenvolver o ódio ou o amor, se me recuso a compreender que a vida se apresenta de diferentes formas, para uns e para outros, e que a minha dignidade só estará completa se houver dignidade nas vidas que me cercam, então o sentido da vida se torna muito tênue, muito débil, muito escasso.

Vida na cidade grande. Diversas vidas diversas.  Vidas que se avizinham e não se encontram.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima