Vanessa Penz em foto de Gabriel Munhoz

Sobre o ontem, o nunca e o hoje

Vanessa Penz

E o meu jardim da vida ressecou, morreu

Flor de Lis, Djavan

Nunca te dei flores

 

Apesar de você elogiar o colorido ao longo de nossa rua.

Apesar de você se emocionar com gestos românticos em que elas são as protagonistas.

Apesar de você querer perfumar a casa.

Apesar de você insinuar felicidade com o presente.

 

Nunca te dei flores

 

Sempre achei que o mundo já era colorido para tê-las além da nossa rua.

Sempre achei cafona manifestações românticas em que elas são as protagonistas.

Sempre achei em demasia perfume em casa.

Sempre achei que te fazia feliz presente.

 

Hoje você ganhou flores

 

Apesar de o outono já em nossa rua.

Apesar de toda a emoção nos gestos em que elas são as protagonistas.

Apesar de perfume pela casa.

Apesar de todos presentes.

 

Hoje você ganhou flores

 

Sempre te achei o mundo colorido.

Sempre te achei a protagonista.

Sempre o seu perfume.

 

Hoje, ausente.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima