O poeta de cada um

No final da tarde

réstias do sol

tangenciam o céu

deitam-se nas águas

irradiando a cidade

de luzes e sombras

Lassidão

trazem o cansaço do dia

um já, passado

águas que guardam segredos

em um azul tépido e denso

onde tudo

em leveza

desliza

veleja

o tempo

corações

mentes

embarcações

nas águas do rio

Compartilhe!

1 comentário em “O poeta de cada um”

gostou? comente!

Rolar para cima