Nara Accorsi em foto de Anelise Barra Ferreira

Hora do Angelus

Nara Accorsi

São seis horas da tarde. O sino da igreja Santo Antônio é ouvido de muito longe. Desde o Cerro Alto, no Morro do Tucano, até os campos e lavouras que se espalham pela planície. Colonos largam da enxada, batem as mãos livrando-se da terra, limpam no vestido ou na perna da calça e ficam prontos para iniciar a prece. Retiram, num gesto largo, o chapéu de palha, e se põem de joelhos para a oração. Fim de tarde – hora do Angelus.

Momento de fé; reverência que une, de forma ainda mais íntima, o povoado. Momento de rememorar, mesmo com dor, a agonia vivenciada por muitos; missão dos sobreviventes.

O sino toca. O mistério continua. Como os sinos tocam? Quem puxa as pesadas cordas nas exatas dezoito horas? A dúvida permanece no silêncio, misto de respeito e medo. Até quando serão ouvidos os lamentos do santo? Ninguém se atreve a dizer palavra. De cabeça baixa, enviam preces aos céus na esperança de bênçãos. Desde sempre.

Assim foi nos tempos de outrora, quando pais, avós, e todos antepassados cumpriam o ritual nas terras férteis, lavradas com a ajuda do gado; em tempos de plantio ou de colheita, ao final das tardes, o sino tocava e todos deixavam seus afazeres para rezar. Depois, a tragédia. Rompida a barragem, o mistério.

A cidade inundada carrega o silêncio dos funerais. Cemitério que abriga não só corpos queridos, mas casas, clube, escola. Histórias inacabadas, sonhos interrompidos e afogados nas profundidades.

Do desastre, só as torres da igreja restaram intactas. Santos, altares, todos submersos. Sepultados.

Apenas os sinos, misteriosamente ainda soam na hora do Angelus.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima