Marshall Arisman por Altino Mayrink

Cães de guerra

Altino Mayrink

No final do anos 1970, um filme inglês ficou muito famoso com a história de um comando mercenário contratado por um milionário para desestabilizar uma pequena ditadura africana. A missão era resgatar o presidente que fora apeado do poder. Até aí, nada diferente das dezenas de filmes anteriores e posteriores tratando de tramas similares. Mas, o milionário fecha um acordo com o governo novo e deixa sem apoio o grupo enviado. Confusão criada e pano para todo o enredo de “heroísmos” desse variado bando.

Ficou então uma dúvida criada pela “tradução” do nome aqui no país. O original The wild goose, traduzido em Portugal por Gansos selvagens, tornou‑se, para as distribuidoras daqui, Selvagens cães de guerra. Seguiu a transmutação? Nem eu.

Não sou um expert em denominação de filmes, mas tentarei explicar. Não vai ser bom. Você pode parar por aqui se você se importa em demasia com violência.

Cães são utilizados como apoio as atividades do ser humano muito tempo. Usados como batedores em caça, são bem conhecidos na história e na literatura mundial. Os homens estão em guerra desde que o mundo é mundo. Os cachorros são treinados e usados nas campanhas de conquistas com registro na história ocidental milênios. Ficaram bem conhecidos os grupos de apoio e batedores acompanhados de canídeos na segunda guerra mundial.

O Exército Brasileiro, que acompanha os formatos dos exércitos europeus e, especialmente, dos Estados Unidos, tem uma ala dedicada ao auxílio em catástrofes e combate ao tráfico considerada de excelência. Mandam os animais em todas as missões em que participam. Esses grupos foram formados e apareceram para a população na mesma época do filme. Foram chamados de Cães de Guerra, mesmo não sendo usado exatamente em conflitos.

Os cães de assalto ingleses e americanos são mais usados para esse fim. Como o comando do filme, essas alcateias são enviadas a locais perigosos. Muitos elementos são perdidos e diversas vezes o retorno é difícil e demorado. E a visão belicosa das forças armadas foi, particularmente, o apelo para que o nome do filme se transformasse. Os gansos, por aqui, não são muito cotados.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima