Maria Amélia Mano em foto de Marcelo Leal

Cecília e o mar

Maria Amélia Mano

Deixar que a pedra e o fogo e o ferro sejam segundo a sua natureza.

Mas que a água e a sua melodia possam também ser ouvidas.

Cecília Meireles

  Cecília canta porque o instante existe e atravessa noites e dias no vento, e se de ventos são feitas as tempestades, e de ventos são acariciadas as velas que movem barcos esquecidos, te convido a festejar minhas tormentas, como reverência que é verbo e verso em delta e estuário, como súplica de heroína, como ritual de devoção ao que te marca e te atravessa, como oferenda ao descontrole do leme e à mudança de rumo, remo no redemoinho, reflexo do céu feito espuma e espanto, busca e fuga, farol e fases, ciclos, luas, loucura, garganta e gemido, presença de mim, marés, de ti e de todas as que (se) encontram e (se) perdem de mim, em mim, pranto; presságio e sorriso, simples existir como Cecília disse, que nem é preciso fazer nada, para se estar na alma de tudo, apreciar horizontes, história e canção, rebentação, esconderijo de mágoas, névoas e monstros, miragens, memórias, mangues, morada de deusas que se molham nuas, e cavalgam por dunas e arquipélagos, desnublam céus, manuseiam horizontes, descobrem constelações, posição de estrelas, fontes, fôlegos, ilhas, cais, baías e raízes que reverencias, caules que abraças, folhas que colhes para curas sagradas, por tanto, por singrares e sangrares, por te embrenhares, emprenhares e parires, vem me celebrar, porque lágrima é água e sal, porque Netuno e Poseidon são nada perto de canto de sereias, Iara e Yemanjá, perto de ti, porque também te ofereço, na doçura do meu azul, paz, calmaria e solitude, aconchego; sim, Cecília também diz que as palavras voam e às vezes pousam e te asseguro, desejo teu voo tanto quanto teu pouso, teu descanso e sono depois da ventania, te achega, te abeira, te banha, te molha, te dou pérolas, peixes, redes, algas, corais e tesouros de naus afundadas, búzios, bilhetes em garrafas e um buquê de rosa-dos-ventos, te mistura comigo e prometo cuidar de cada grão de areia que ficar na tua pele depois do mergulho, escutar teus marulhos, lamber tuas maresias, abraçar tuas ondas mornas e seremos o que sempre fomos: imensidão.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima