Maria Amélia Mano em foto de Jorge Almeida

Pife na ponte

Maria Amélia Mano

Homem só tenta convencer a não pular: vem lembrar dos momentos felizes que viveu, dos lugares bonitos que viu, das músicas bonitas que escutou.

Manoela pede perdão, Fagner e uma IPA, balança os pés na ponta da ponte como pêndulos plenos marcando tempo passado, foi ontem, pagou IR, IPTU, IPVA, fez entrevista de emprego, duas folhas falhas de currículo; fez concurso, errou na interpretação do texto, na tabela do Excel, inglês, legislação, pisou no roseiral, estrompou parafusos, segue suspensa a um milímetro da queda, voo sem asas, Coração Alado.

A multidão grita pula, sai, vai, cai. Homem só no desespero, de si, dela, apela: vem fazer reviravolta, recomeçar, olhar tudo pela primeira vez.

Manoela pede perdão, pastel e Zé Ramalho, bambeia na beira e berra coisa bíblica, coisa que salve, coloque ao menos no purgatório, ela, que declamou anti-sermão da montanha, não cumpriu promessa e prazo, não perdoou, rogou praga, deu desculpas esfarrapadas, inventou pretextos, criou álibis e livrou flagrantes; fuga, todas, de futuro feito de insônia, sonho e medo do que virá como guerra a terceira mensagem na cabeça do homem aflição e coragem.

Homem só lacrimeja, insiste: vem descobrir alguma coisa bonita, alguma coisa profunda, alguma coisa que cante, que fale, que chame, alguma coisa.

Manoela pede tempo, Gonzaguinha e baralho, é boa de pife e de serpentear por estradas curvas, atalhar desfiladeiros, atar fios mágicos soltos no chão, se atirar em versos e se sustentar de poesia e presente; colher ervas daninhas como raras, pela fibra, força que fica quando seca fonte, poema acaba, emenda rasga, lírios e lábios viram lâminas, fome vira fúria fêmea, frágil e fé nasce quando a gente sente que nunca está sozinho por mais que pense estar.

Homem só diz que paga conta. Manoela tem sede e cede, pede Belchior, dá as cartas, sai com trinca, dois coringas, tem pena do homem só, mas blefa, esse jeito de deixar sempre de lado a certeza e arriscar tudo de novo com paixão, andar caminho errado pela simples alegria de ser.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima