Vanessa Penz em foto de Gabriel Munhoz

Lua cheia de amor?

Vanessa Penz

“A noite vai ter lua cheia, tudo pode acontecer.

 A noite vai ter lua cheia, quem eu amo vem me ver”

Sexy Yemanja – Pepeu Gomes

O Maranhão tem a maior variação de marés do Brasil e a terceira maior do mundo. Para se ter uma ideia, em apenas seis horas, a diferença entre preamar e a baixa mar pode chegar a oito metros. E é na Baía de São Marcos, de São Luís, em um dos melhores exemplos deste feito da natureza que, no mês de setembro, no primeiro dia de lua cheia e de ano bissexto se tem a aparição da Sereia Salgada do Nordeste.

Reza a lenda que Sessa, como é chamada na aldeia de pescadores local, é originária dos rios da Amazônia. De cabelos negros e lisos; olhos amendoados em longos cílios; boca pequena; cintura fina e cauda em furta-cor, surge apenas durante os sete dias fatídicos para buscar sua presa: um pescador jovem que será seduzido por seu canto e beleza enigmáticos, caindo assim, na emboscada da morte. Após a conquista, a sereia se mantém viva por mais quatro anos, até a próxima aparição.

Na terceira noite de luar, Juvenal surge na beira da praia. O jovem, recém vindo de Três Corações, veio para aprender a profissão com seu velho tio Adão. Tinha ilusões de que o novo ofício de pescador lhe garantiria, enfim, vida digna. Ao ver aquela imensidão de mar pela primeira vez, deslumbrou-se tanta grandeza. Abaixou-se para molhar as mãos, levou até a boca. Era salgada mesmo, pensou. Continuava impressionado com o tanto que conseguia andar mar a dentro.

De repente, ouviu um canto, ao longe. Ainda perdido em novas sensações, percebia o som mais perto e, agora, a imagem de algo começava a se apresentar a sua frente. Ao se aproximar, quase não acreditou. Era ela? A sereia que ouvira nas histórias contadas pelo tio quando em visitas a ele no interior mineiro? Quando deu por si, já estava envolvido por sua cauda, cabelos e boca. Embriagado por sua beleza, foi hipnotizado. Em uma mistura de êxtase e sofreguidão, Juvenal foi sorvido por Sessa de uma só vez.  Sumiram no mar.

Horas mais tarde, o burburinho tomou conta do vilarejo. Todos sabiam que a Sereia Salgada do Nordeste tinha realizado sua conquista. Na beira da praia, apenas um longo rastro rumo ao infinito.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima