Jane Ulbrich em foto de Gilberto Perin

Tendu, jeté, rond de jambe

Jane Maria Ulbrich

Aguardava há muito por uma oportunidade como ator. Tantos testes. Horas de espera em filas de entrevistas. Esperança, crença na aprovação, teste, desalento. Sempre a mesma sequência. Ficou nas nuvens quando finalmente o aceitaram.

Assinado o contrato para a temporada, com cláusula de liberação se o papel não engrenasse e cláusula de renovação se tudo corresse como o esperado, desconhecia seu personagem. Mas, acreditava em sua versatilidade. Quase flex ─ sorria ao pensar. Aguardou os dias para a seleção de toda equipe e finalmente chegou a noite em que todos iriam se encontrar e discutir a proposta.
Coração acelerado, expectativa  e, todos presentes, foi discutida a peça e  seus personagens. Pesadão, barriga nada tanquinho, cara de poucos amigos, algo meio grosseiro ao falar, várias tatuagens, ficou esperando por um bandido ou tio mafioso.

Um a um foram apresentados aos seus personagens.  Após a determinação do pai da jovem adolescente, surgiu seu papel: a adolescente, personagem central.

Arregalando os olhos, meio estupefato, olhos fixos nos do diretor da peça, ficou pensando quão furioso ele ficaria ao perceber suas tatuagens, barriga e mar de pelos..

Sentia o olhar curioso de todos. Nada a preocupar, era só o que pensava. Quanto mais ouvia o diretor falando, mais se angustiava. Mas ficou firme.

No dia da prova do figurino, ao se observar no espelho em um corpete e tutu cor-de-rosa, sapatilhas de bailarina, pernas escancaradamente peludas sob meia de nylon rosada e transparente, delicadas alças no dorso, não conseguia segurar o riso. Vou depilá-las disse ao diretor. Nem pensar! ─ berrou ele. Olhou os curtos cabelos imaculadamente presos em forma de coque, ornado por delicadas flores também cor- de- rosa, sentiu-se caricato e grotesco.

Os demais papéis eram contraponto ao seu. Pessoas dentro dos padrões habituais em absurdos diálogos e, ele a interpretar a doce adolescente de 13 anos, desajeitada, mas centrada, em sua primeira aula de ballet.

Hora antes de entrar no palco, sob o calor de uma chuveirada, concentrou-se, assumindo o comportamento da personagem, que tanto estudara.

A contradição era tão marcada, as gargalhadas da plateia tão estridentes, que lhe deram a certeza de que finalmente iria viver a experiência de renovar um contrato.

Vai entender!?

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima