Festança

Amigo boleia a perna

Puxe o banco e vá sentando…

Cevando o Amargo de Lupicínio Rodrigues

Na fazenda Guedes todos estão se preparando para a festança.

Ritinha, filha mais velha do fazendeiro, Anselmo Guedes, está completando 15 anos. Seu pai espalhou convites para a família, vizinhos e amigos íntimos. Fora para parte da peonada, só os mais antigos.

Mandou carnear duas rezes e uma ovelha. Convocou o melhor assador conhecido, que trouxe dois auxiliares para prepararam o fogo de chão, como manda o figurino. Mesas grandes, com bancos ao comprido , foram aprontadas em baixo das árvores, pois, ao meio-dia o sol queima.

Na hora marcada, alguns familiares já vinham chegando e com eles Zeca e seu violão. Trovador, repentista de mão cheia, ele se assentou perto da entrada e quem cruzasse por ele, era brindado com uma trova humorística; as vezes maliciosa. Ninguém se ofendia, pois, ou era parente ou amigo.

Embora não fosse exigido, a maioria estava vestida a caráter: os homens de bombacha e botas. Guaiaca na cintura, lenço vermelho ou branco pescoço. As mulheres: aquelas que pertencessem à um CTG, vieram de prenda, com seus lindos vestidos coloridos.

Como de costume gaúcho, os grupos iam se formando: mulheres de um lado, homens de outro. A conversa corria fácil; muitos não se viam há tempos. Pronto o churrasco, os casais se juntaram e todos se aboletaram nos seus lugares. Deu-se início à comilança. Os garçons, vindo da cidade mais próxima, serviam de um tudo e todos aceitavam tudo.

O farto almoço foi vencendo as horas. Pelas quatro, veio a sobremesa e o tradicional bolo de aniversário, acompanhado do eterno,”parabéns a você”. Ritinha estava linda no seu vestido longo, todo bordado, mandado fazer especialmente para a ocasião. Era a cara da felicidade.

Com o cair da tarde, os que moravam longe, começaram a se despedir. Foi a deixa para o final de tão feliz festança que deixou saudades.

<

p align=”left”>

Escrevi esta crônica em memória a Paixão Côrtes, fundador do Movimento Tradicionalista Gaúcho, de onde se originou o CTG – Centro de Tradições Gaúchas.

Compartilhe!

gostou? comente!

Rolar para cima