Soraia Schmidt em foto de Gilberto Perin

Ele é um homem

Soraia Schmidt

Ser pessoa

Nascer subjetivamente

Ser alguém

Vestir uma máscara

Representar um papel

Fazer uma escolha

Nascer de si mesmo

Ser.

Seu Justino olhava a cena e assim refletia. O rapaz apostara tudo naquele papel. Ser um lutador. Ser campeão. O que realmente ele queria vencer? Não se sabia. Mas Seu Justino percebera. Era caso de tudo ou nada. De vida ou morte.

Trabalhava como faxineiro do clube há 50 anos. Em seu silêncio, acostumara a ver através da sutil mutação dos corpos e rostos. Pequenas rugas e contrações. Emoções   que revelam e constroem pessoas. Aprendera, como escreveu Clarice Lispector, a distinguir aqueles que, realmente nascem, vivem e morrem, daqueles, que, como gente, não são pessoas ( sim, ele lia Clarice Lispector!).

E cada fibra muscular contraíra-se para esculpir o desatino naquele jovem e belo corpo. Ele apostara tudo nessa luta. Dilema vital. Ser ou não ser.

Ser o quê?

Seu corpo falava. Dor, sofrimento, intensidade. Sua máscara caía.

Mas isso era vida. Início, não fim. Mal sabia ele, que era um parto. Nasceria outro. Fortalecido; não derrotado. Caberia a ele próprio parir-se de si. Ato árduo e solitário. Nascer como pessoa.

Seu Justino reconhecia.  Nasceria sim, um novo ser. Fora assim também com ele, muitas vezes.

O rapaz era belo e jovem. Teria outras oportunidades. De ser vários, de vestir-se com muitas máscaras, mas fundamentalmente, de ser. Pois, sim, ele é um homem. Um homem que é. Não uma dessas gentes que não são.

Foi seu pensamento antes de atirar-se ao ringue na ultima faxina do dia.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima