É só água

Vó Clara tinha uma capacidade incrível de ver o mundo de modo pragmático. Pode ser pela criação, num lar de muitos irmãos e numa família germânica; também pode ser por sua personalidade, uma vez que se casou mais tarde e respirava ares de independência quando jovem; quem sabe por sua viuvez precoce e a carga de tocar a casa sozinha… De fato, personalidade e circunstâncias concorreram para formar uma pessoa objetiva e prática. Absolutamente sem frescuras.

Tem uma frase dela que ficou guardada: se alguém cogitava deixar de fazer algo porque estava chovendo, ela vinha certeira:

– Mas é só água!

No momento que assumimos a simplicidade do fato, ou seja, ser a chuva “só água”, qualquer desculpa para não sair do abrigo em que nos encontramos se transforma em bobagem. “Não ser de açúcar” é outra máxima do passado, quando todos estávamos bem acostumados a comparações culinárias, e nasce para deixar claro que a chuva não nos afetará a estrutura. Não derreteremos. Com ou sem nuvens, a vida precisa seguir seu curso.

Bater perna na rua, segundo dona Clara, era a melhor atividade para os dias nublados.

– Não dá pra fazer mais nada!

“Fazer coisas”, para ela, era cuidar da horta, do jardim. Os mais fofos canteiros de morangos que vi na minha vida ficavam num lugar que, hoje, é praticamente parte do centro de Novo Hamburgo. Um pátio enorme nas lembranças infantis, com direito a árvores frutíferas, um salgueiro-chorão enorme, horta, nascente de água, valo com capins altos (nossa floresta) e um balanço igual aos de pracinha infantil. O mundo. Se a chuva atrapalhava seus afazeres, pé na estrada!

Enfim, se nos dias instáveis e chuvosos bate uma preguiça, a vó Clara retorna à lembrança. Ela me tira da inércia e faz colocar uma capa ou pegar um guarda-chuva para sair. Mesmo sem grande proteção, assumo ser só água e, em breve, estarei seco. Vou pegar uma gripe? Talvez sim, talvez não. Como o vírus tá no ar, permanecer resguardado não será garantia de nada. Ela passou dos noventa numa vida desafiadora e nem sempre solar. Seu destemor e simplicidade iluminam a memória.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima