Dio Santanna em foto de Gutemberg Ostemberg

Quem me habita

Dio Santanna

Sou a que não vês. Que com este ímpeto incontrolável de viver, vive. Sempre fugidia do não-ser. Que não se basta nas palavras. Nos desejos incontidos. Que ao olhar as cicatrizes, na palma da alma, percorre as linhas na pele quente, que vão do músculo no peito a este andar errante.

A que não controla. Impulso ardente. Que em seus rituais cíclicos, se morre. Se nasce. É vendaval ao invés de calmaria. Por puro gosto pelo vento. Voa livre. Muda de rota. De gosto. De sentimento. E prefere inverdades vividas a meia verdades. Medíocres. Pequenas.

Sou a que não vês. Que de tanto querer, se reinventa. A cada instante.  Cada palavra parida. Não se completa nunca e faz da busca sua constante inconstância. Plenitude é não encontrar-se. O fim não a seduz.

Que faz da tirania dos desejos, sua alquimia. Seu desejo maior: palavra. Faz da sua incompletude, caminho. E a alma delira o não encontro.  A busca é pura alforria. Liberdade é ser o que é. Se provocar, sustente.

Sou a que não vês. Que faz da dor, sua fortaleza. Labirinto que parece não ter fim. Travessia solitária. E no fim, enfim, é recomeço. A que em lágrimas, se hidrata.  E da pena faz poesia. Não se apequena.

Que se permite tudo.  E se reconhece sempre. Transita entre mundos e verdades. E quem a vê, sabe. Sente. No olhar. Se basta e se continua. Nua essência. Indecência crua.  Não se define. Não se julga. Não condena. Pulsa.

Sou a que não vês. A que se quer sem âncora. Por se querer rio. Que no instante vivido, é. E no mesmo, não mais será. Que bebe de si para matar a sede. E a boca sedenta, se quer rio, outra vez.  A correr.

A que não se vê inteira. Por se querer metade. Incompleta. Na eterna busca dos “eus” em mim. E só no amor se refaz. Se dilui. Se inquieta. Transbordante-mente. Alma que não se contém. Que incansavelmente se procura.

Eu sou. Quem na palavra me habita.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima