Cynthia Torp por Felipe Anselmo Olinto

Circo da vida

Felipe Anselmo Olinto

Na aparente mesmice do nascer, crescer e morrer, instigante imaginar a vida de cada um após o desembarque apressado do trem. Todos resignados, qualquer que seja a estação.

Introjetado o desígnio, a motivação para viver emerge dos sonhos, desejos e necessidades. A cada jornada, vitórias, derrotas, dores, alegrias e o inexorável fim.

Os pensamentos, tanto quanto os vagões, se movimentam abaixo da superfície, impedindo o meu decifrar dos rumos que serão tomados. A ousadia em sugerir o que são e o que irão fazer é um exercício às inesgotáveis possibilidades do comportamento humano.

Casal a minha direita, classe média, filhos em casa, cumpre seus compromissos com esforço e mantém interesse recíproco, com o passar do tempo e afastamento dos filhos, acomodação e carinho os unirá. A senhora negra ao meu lado, levará consigo marcas de uma existência suportando a sociedade que a cada momento insistiu em subjuga-la. Tem a dor latente por saber que seus filhos e netos estarão submetidos a mesma condição. O professor e seu pupilo, expectativa de um mundo melhor, que naufragará frente ao sectarismo dos novos tempos. Os homens eretos, retornam do trabalho, pensam nos jogos do campeonato nacional, e num pequeno apartamento de subúrbio terão a solidão como companhia.

Pichação. Ato que contesta, provoca, suja e dá cor às paredes cinzas do trem e do metrô.

O circo da vida, onde todos desempenham um papel, e no picadeiro usam o figurino que melhor lhes cai.

Como arlequim, participo do espetáculo com o tempo que ainda me cabe.

Script não há. A plateia sou eu e meus pensamentos.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima