Ângela Puccinelli em foto de Gilberto Perin

Cicatrizes

Ângela Puccinelli

Ele me disse com a maior naturalidade. Foi somando meus problemas, como se tudo

na vida fosse dinheiro. Pior que o que ele falou poderia mesmo ser resolvido com

dinheiro. Cirurgia de minha mãe = US$ 5,000.00 + quitação da nossa casa = US$ 80,000.00

+ viagem de férias para a Disney que a família tanto sonha = US$ 30,000.00 + dívidas de

cartões de crédito e outros = US$ 40,000.00 + faculdade dos dois filhos que ainda estão

no fundamental = US$ 800,000.00 + despesas mensais por 15 anos = US$ 1.000,000.00.

Arredondando, US$ 2.000,000.00. Ufa!  Dois milhões de dólares americanos.

Sim, tudo em dólares. Dinheiro vivo.

E todos os meus problemas atuais e futuros estariam resolvidos. Pelo menos tudo o

que o dinheiro compra. Chegou a dar um nervoso só de pensar.

Ele me deu três dias para decidir.

Sacanagem. Decidir o futuro de minha família em apenas três dias.

Por dois dias e meio pensei sozinho. Suei. Não dormi. Comi demais. Evitei todo tipo de

conversa não trivial. Difícil foi não dizer para minha mulher o que estava acontecendo.

A cada meia hora ela me falava que eu estava estranho. Estranho? Estava apavorado.

Minha consciência, como ficaria? Tinha que honrar minhas cicatrizes. Não cheguei

aqui por nada. Foi muita luta, muita dor, muito desapego de todas as outras coisas boas

da vida. Meu falecido pai, o que faria? Que exemplo deixaria para meus filhos?

Isto não seria apenas uma decisão. Seria uma mudança de modo de ver a vida.

De ser ou não ser ético. Mais do que isso até. Que loucura!

Agora estou aqui e tenho que dizer o que vou fazer.

Ai, meu deus! Ele chegou.

Ok! Está decidido. Eu entrego a luta. Mas após o terceiro round, pra não dar na vista.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima