Camilla Duncan em foto de Mau Saldanha

Rodavida

Camilla Duncan

 

Na imensidão daquela praça, elegeu um canto para chamar de seu. Estacionou sua bicicleta surrada e sentou-se em um banco de pedra fria e úmida como seus pensamentos.

O velho, cansado de sua pedalada matinal, sentia-se derrotado pelo tempo. Olhou para sua bicicleta e lembrou-se do jovem que havia sido: dono de rígidas e serelepes pernas.

Recordou dos passeios aventureiros, das descobertas feitas e da avidez por desbravar o mundo.

Ah! Se as rodas da bicicleta pudessem girar no sentido inverso trazendo o passado de volta! Suas escolhas teriam sido diferentes? Quais rumos ele teria seguido?

Naquela vasta praça, Esperança era sua única companheira, convidando-o a desafiar a vida, a olhar para a direção futura.

Levantou-se. Foi comprar um saquinho de pipocas, para alimentar as famintas pombas que já estavam a sua volta. Por um instante, pensou “que bom que são pombas e não urubus”.

Facebook Comentários

15 comentários em “Camilla Duncan em foto de Mau Saldanha”

  1. Essa história nos revela um pouco, pq assim como ele, qdo nos sentimos cansados de algo, somos pegos a refletir sobre a vida que passou …. Muito sensível tua visão. Parabéns pelo texto Camilla. Bjsss

  2. Adorei Camila, crônica poética… Existe este tipo de texto? Acho que vc acaba de inventá-lo, parabéns! Enxerguei a cena e mergulhei nela, senti-me como o protagonista. Muito lindo. Obrigada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima