Rita Rheingantz em foto de Alexandre Eckert

Urbanidades

Rita Rheingantz

Daqui de baixo um cinza amarelado, um amarelo acinzentado, em formato circular fecha o quadrante. Fim da manhã, meio da tarde, não importa. Verão, outono ou primavera entristecida. O som do rush polui o silêncio. O calor venta, o vento arde. Círculos, cubículos e retângulos em arestas circulares de um dia inflamável. Edifícios colossais dispostos em círculos giram sem sair do lugar, como um vinil. Metrópole amplificada. Edificações tocam o céu. Janelas refletidas, natureza reprimida, horizonte artificial.

Fusão irônica de cores, tamanhos e formas.

A visão do alto, de fora é um exercício do anti olhar, uma inversão, como dois polos, negativo e positivo. É preciso transcender a ótica e a perspectiva, olhar de cima para baixo por trás do olhar de baixo, estando já em cima. A visão se amplia, parece que o leque circular se abriu, luzes e sombras dançam outra música, janelas retangulares e quadradas tem um prisma desigual. Árvores se tornam frondosas. Saturadas. Os ventos sopram com força em uníssono.

Por fora, a cidade pulsa antes e depois das doze badaladas. Buzinas, carros, bicicletas, metrôs, bondes. Vibrante e densamente povoada. Os ponteiros parecem sempre adiante, não há tempo de olhar no olho, as ruas são tomadas de passos. Passos que têm pressa de chegar.

Por dentro, vidas bem e mal vividas, alegrias, depressões, amizades verdadeiras e mentirosas, flores e frutas, amores livres, saudáveis e tóxicos, famílias, filhos, animais de estimação, solteiros, casais e parentes. Lares tranquilos e pós-guerras. Gente que nunca se verá, gente que nunca se verão, mesmo vivendo tão próximo, de frente ou de lado, em cima ou embaixo.

C’est la vie!

 

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima