Rafal Olbinski por Regina Starosta

Ascensão

Regina Starosta

Em fins do século XIX e início do século XX, famílias inteiras de judeus imigraram para o Rio Grande do Sul. Fugiam de séculos de perseguições, pobreza, maus tratos e muita fome. Vieram, principalmente, da Rússia e Polônia.

Instalaram-se em pequenas colônias agrícolas, divididas em lotes, formando novas comunidades. Cada família, recebeu um com uma casa pronta para morar e todo o necessário, para recomeçar suas vidas truncadas.

Eles eram oito irmãos. Dos quatro homens, Jacob era o primogênito. Enquanto os outros cuidavam da lavoura, ele trabalhava na construção da via férrea colocando dormentes. Tinha 23 anos e levava suas obrigações a sério.

Anna, com 16 anos, por ser a mais bonita na família, era a mais mimada. Odiava morar lá. Reclamava de tudo: dos bugios que pulavam no mato gritando e do calor infernal do verão. Pensava constantemente em quem poderia leva-la para longe daquele lugar horrível.

A vida na colônia corria sem tropeços. Muito trabalho, alguns problemas, mas, nada que não pudesse ser solucionado.

Jacob e Anna começarem um namoro. Nada sério, era mais para o tipo amizade. Até que chegou um novo morador: José, rapaz boa pinta que causou alvoroço. Estava criada uma situação.

Anna viu ali sua chance; feminina fez o jogo da sedução. Chego-se a Jacob e disse-lhe sem subterfúgios:” Jacob se me tirares daqui e me levares para a capital eu caso contigo.”

Assim foi dito e assim foi feito. Instalaram-se com um pequeno armazém de secos e molhados, numa rua do bairro judeu na cidade grande.

Portanto, quase que do nada, começaram a ascensão. Baseados no trabalho, tendo o futuro por meta, como se fosse uma escada a subir, eles atingiram o patamar desejado: Uma vida plena, filhos sadios e uma boa situação monetária.

Este é um pequeno relato da vida dos imigrantes, venham de onde vier. As necessidades são as mesmas. Todos serão bem- vindos.

Eles vieram de longe. Judeus fugindo da miséria e dos maus tratos na Rússia, Polônia e outros países do Leste Europeu, acharam refúgio no sul do Brasil. Reunidos em glebas, formaram pequenas colônias agrícolas com toda infra=strutura

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima