Maria Amélia Mano em foto de Alexandre Eckert

Antes que decidam o carnaval

Maria Amélia Mano

Clara, eu sei, prefere gaita de Bob Dylan a trombetas no apocalipse, mas  profecia errou, meteoro não haverá, mundo seguirá, precisamos agir, todos parecem graúdos, mas são miúdos, doídos e moídos em moinhos e não será teu bambolê, tuas fitas e malabares no sinal fechado que irão defender a solitária leveza que carregas em remendos surrados da tua saia de chita, nos retalhos da colcha da tua filha que te espera, nos rebocos caídos da tua casa amarela de infância, nos reparos mal feitos no asfalto azul dessa esquina, nas revoltas tuas que chama de cansaços, nas renúncias tuas que chama de escolhas, não, Clara, tempo acabou, poetas já não fingem, não há rede debaixo da corda bamba, florais pra tua insônia, tarô pra tua dúvida, mapas pra teu rumo incerto, água do mar pra tua nostalgia, colar de âmbar pra tuas dores, fiapo de linha pra teus soluços, coroa de alecrim pra teus pesadelos, argila pra teus potes d’água, névoa pra teu ofício de intuir, sabiá laranjeira e amoras pretas pra tua alegria, não há ternura, Clara, só deserto de concreto e vertigens, viajantes nômades, náufragos e suas sedes, sirenes, saudades, sombras, segredos, espantos e escravos em subúrbios, silêncios e semáforos, estranhas entranhas de cidade selva de cipó de cimento, seguimos, subterrâneos, trabalhando em dias nublados, Clara, enquanto vacinas vencem, pães envelhecem, caravanas e manadas se perdem, ventos derrubam ninhos, sapato aperta e todos enferrujam debaixo de viadutos, exércitos fardados fugitivos de si mesmos, milícias medrosas em zona de desconforto, soldados sufocados sonâmbulos de olhos desatentos, discursam em sótãos vazios, esquecidos do exercício do bem querer, lustrando armas e misérias, limpando fuzis e papéis, afiando navalhas e pressas, atropelando poemas que cruzam fora da faixa de insegurança, atravessados na garganta que carrega teus desamparos e desesperos, Clara, tropeços e trapos que estendes em ruas e varais, úmidos de lágrimas, teus olhos que tremem com frio, freio, sinal que abre, espera, tem jeito, Clara, há poeira e chuva de setembro no teu rosto, traço forte, poesia de calçada, aço, açúcar, salamandra que renasce e antes que decidam o carnaval, ano letivo, calendário, tudo de novo e de novo, velho, vou te levar daqui, Clara, pela mão, vamos invadir apartamentos descorados feitos de tijolos empilhados com selo de sustos, entraremos de pés descalços, espalharemos cheiro de capim molhado, orvalho nos pisos, cestos de palha de trigo nas portas, miçangas e purpurina em tudo que for bege e cinza e nas janelas, aqueles girassóis que colhemos na beira da estrada, Clara, além de rituais, risos e riscos de crianças nas paredes, resistências, existências, esperanças, olha, vamos inventar mil formas de dizer eu te amo nos cruzamentos, passar cafés lentos nas manhãs em avenidas e fugir pelo poro, pelo furo do céu, puro, sumidouro no apuro, nascedouro, quebrar casca, romper bolsa, parto, sair quente, viva, cria, luz e nunca mais recarregar cartão integrado, TRI, bilhete único, Clara, nunca mais.

 

 

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima