Guy Billout por Maristela Rabaiolli

Uma imagem vale mais do que mil palavras?

Maristela Rabaiolli

No dia em que faria seu primeiro salto do trampolim, ele se levantou às 5h30 da manhã para esperar a hora da prova. Enquanto preparava o café, pensou nas habilidades que um saltador ornamental precisa desenvolver: audácia, coragem, perseverança, autoconfiança e concentração. Refletindo sobre isso, sentou-se à mesa e ligou a TV.

Ministério Público denuncia deputada Flordelis, suspeita de mandar matar marido com a ajuda dos filhos. Jovem de 17 anos morre baleada com filho no colo durante confronto em Bangu. No Brasil, uma mulher é morta a cada duas horas vítima de violência. Queimadas no Pantanal: avanço do fogo ameaça santuário de araras azuis. País ultrapassa 117 mil mortes por covid-19, continuava a anunciar o telejornal matutino.

Ao ouvir tudo aquilo, veio-lhe à mente o trecho da música do Charlie Brown Jr. histórias, nossas histórias, dias de luta, dias de glória (…). Lembrou-se, também, que, no dia anterior, um amigo havia publicado nas redes sociais foto de um lindo ipê roxo (ou seria rosa?) que enfeitava as ruas do centro da cidade do poeta dos passarinhos. Impressionante como, num movimento rápido e involuntário da mente, tudo pode mudar. Mudam as imagens. E os medos e as almas se aquietam.

Por conta disso, talvez, pensou no dito popular proferido por Confúcio séculos atrás: uma imagem vale mais do que mil palavras. Será? Talvez se Magritte não tivesse escrito sob o desenho Ceci n’est pas une pipe, provavelmente continuaríamos pensando que o que está na tela é, de fato, um cachimbo. Assi, não podemos esquecer que imagens são representações da realidade, e não a realidade. Logo, elas sempre podem nos trair.

Mas um curioso poderá perguntar qual a relação entre a prova do trampolim, as notícias da TV, a foto dos ipês e o quadro de Magritte? Cabe ao leitor fazê-lo. No entanto, uma coisa é certa: as habilidades mencionadas no início do texto não são necessárias apenas ao saltador ornamental, mas a todos aqueles que precisam enfrentar os dias tendo sob seus pés uma piscina cheia de ratos. Você se jogaria?

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima