Guy Billout por Alexandre Wahl Hennigen

Faz diferença?

Alexandre Wahl Hennigen

A manchete na Zero Hora dizia “Depois de vencer o câncer, mulher morre atingida por árvore ao deixar o hospital”. Para mim não era novidade: a rádio-corredor da Santa Casa já tinha se encarregado de espalhar a notícia antes dos jornalistas chegarem ao local. O marido, com quem estava de mãos dadas, sofreu alguns arranhões.

Não me fio em coincidências. A relação temporal entre esses acontecimentos – ser informada de que o câncer não voltou e ser atingida por uma árvore – tem algo de macabro e jocoso. Gosto de imaginar a morte vestida de preto, acompanhando o casal, os três sorrindo: eles fazendo planos para o resto da sua supostamente longa vida juntos, ela com a carapuça preta sobre a caveira e a foice em riste, zombando da inocência dos humanos.

Quanto mais a Medicina avança, menos temos ganhado em longevidade. As medidas mais básicas são as que causaram maior impacto: saneamento, vacinação, exercício, controle da violência, alimentação adequada. O combate às infecções dobrou o tempo que se vive. Por mais mirabolante que as novas tecnologias sejam, o que elas representam em sobrevivência é modesto. Tomando em consideração o impacto na qualidade de vida, passa a ser milimétrico e com alto custo: nos Estados Unidos, um quarto de todo o dinheiro gasto na saúde é usado no último ano das pessoas.

A morte é o destino ao qual todos rumamos, depois de passar pelas diversas encruzilhadas da vida. Algumas escolhas podem postergar o mergulho no infinito, mas nunca saberemos se foram as mais adequadas. A mulher mais longeva do mundo fumou por décadas. Seu contraponto masculino adorava doces, tomava café e refrigerante.

David Altshuler escreve em um de seus livros que a maior parte das doenças resulta da ação combinada de alterações inatas ou adquiridas na sequência genética, exposições ambientais e comportamentais, e má sorte. Sorte, azar ou acaso, chamem como quiserem, acaba sendo a estratégia que a ceifadora usa para recolher as almas que excederam o prazo de validade.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima