Dora Almeida em foto de Gilberto Perin

A vizinha do 503

Dora Almeida

Impossível não reparar na Cleonice, a nova moradora do Edifício Antares. Cabelos longos com mechas loiras, batom carmim, brincos iguais ao colar, como dizia Elis. Blusa justinha, os belos seios parecendo querer saltar pelo decote. Corpo bem feito, quadris largos, pernas bem torneadas, cheias de promessas na saia curtíssima e andar insinuante, equilibrando-se nas altas sandálias vermelhas. E o sorriso então! Sorria com os olhos, a boca, o corpo inteiro. Um sorriso sedutor, quase meigo, e uma voz doce falando para os vizinhos, estou morando aqui há pouco tempo, no 503 do bloco B, às suas ordens se precisar de alguma coisa.

Os homens logo se encantaram com a nova vizinha, abriam a porta dos elevadores, carregavam – lhe as compras do supermercado, as sacolas, enfim, só faltava que a levassem ao colo, que era o que muitos gostariam. As mulheres, nem tanto. Quando a viam pelo prédio, olhavam-se e comentavam em voz baixa, isto é jeito de se vestir, com essa calça legging entrando na bunda e marcando tudo?

Cleonice sorria, simpática, não dava a mínima para os comentários. Ficou amiga da mulher do Menezes, síndico, Marizete, sua vizinha de porta. O marido, chefe de família, homem de fé, frequentava a igreja, lia a Bíblia, mas não era indiferente aos encantos da nova moradora. Seguidamente ajudava Cleonice em algum pequeno conserto doméstico. Logo passou para outro tipo de conserto e todas as manhãs ia ao apartamento dela, bem cedinho, com a caixa de ferramentas, logo que a esposa saia para o trabalho.

Dia desses, Marizete voltou para pegar a carteira que havia esquecido. O marido não estava. Ao chamar o elevador, ouviu risos no apartamento da vizinha. Parecia a voz do Menezes. A porta estava apenas encostada, ela entrou e deparou com a cena, os dois na cama. Foi um deusnosacuda. Menezes se explica, não é o que você está pensando. Ela sai, toma o elevador, deixando o marido só de cuecas do lado de fora. Cleonice, por sua vez, bate a porta e não atende aos apelos do amante que pede para entrar. Escândalo total.

No celular de Cleonice, a mensagem de Marizete –  te devo esta. Consegui me ver livre desse traste.

 

 

 

 

 

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima