John Jude Palencar por Rubem Penz

Dos vícios

Rubem Penz

Dos vícios, o que mais nos encanta é a perseverança inerente ao processo.

Aos vícios alheios nos cabe a viciante mania de comentar.

Apresente-me um homem sem vícios e verei a face explícita da morte da verdade.

A falta de vergonha é a madrasta de todos os vícios.

Diz-se viciante a substância capaz de nos condenar com o julgamento de outrem.

Vício é uma condenação que, ao cabo, nos absolve.

O vício é o perverso irmão gêmeo do hábito.

O hábito faz o monge. O vício, desfaz.

Compulsão seria assumir o vício para si?

O vício domina, determina, abomina. O vício controla, comanda, conduz. O vício invade, faz de você um covarde, depois dele é sempre tarde. Nem rimá-lo resolve: até a poesia ele, enfim, dissolve.

Facebook Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima